top of page
Buscar

Manhattan resgata glamour do teatro e do cinema norte-americanos dos anos 50 e estreia em maio no Teatro Nair Bello

Todo o glamour e a busca pela fama numa Nova York dos anos 50, década dourada para o teatro e o cinema norte-americanos, inspiram Manhattan, com dramaturgia de Paulo Emílio Lisboa. O espetáculo tem sua temporada de estreia no Teatro Nair Bello, no Shopping Frei Caneca, entre os dias 10 de maio e 28 de julho.

A direção é assinada por Maurício Guilherme e o elenco, além do próprio Paulo Emílio Lisboa, traz Priscila Sol, Letícia Birkheuer, Cynthia Falabella e Anderson Di Rizzi.


Foto: Tiago Mendes

A trama se passa em um prédio em Nova York onde vivem o famoso escritor Sr. Williams e o ator John Puccini, grandes amigos e parceiros de trabalhos de bastante sucesso. Eles curtem uma vida badalada e glamurosa, regada a festas, jantares em restaurantes chiques, estreias, teatro e cinema, junto com outras grandes figuras da cidade como a atriz Vivian Leigh e o diretor Alfred Hitchcock.


Sr. Williams (Anderson di Rizzi) está sendo pressionado por seus produtores e por um estúdio de cinema para entregar o roteiro de seu próximo longa-metragem. E ele precisa ter muita paciência para receber os diversos artistas que o aguardam na entrada do prédio, como a atriz veterana Emily (Cynthia Falabella) e a sonhadora atriz aspirante Deise (Priscila Sol). Todos querem um personagem em uma das histórias do grande escritor.


Deise sensibiliza Sr. Williams e ganha a chance de fazer um teste para atuar ao lado de John Puccini (Paulo Emílio Lisboa). Mas, a ciumenta Emily, ex-noiva do ator, está preparada para arruinar qualquer pessoa que se aproxime de seu amado. Cindy (Letícia Birkheuer) é uma mulher elegante, bonita, talentosa e cria uma relação de afeto com o Sr. Williams.


A peça, segundo o autor Paulo Emílio Lisboa, fala sobre amor, desejo e o sonho com a fama. “Deise, assim como qualquer participante do Big Brother nos dias de hoje, quer fazer sucesso de qualquer jeito. E todo mundo está lutando por seu lugar ao sol, tentando sobreviver, trabalhar honestamente, ter reconhecimento, ganhar dinheiro e sair na capa de revista. O texto fala sobre duas coisas inegociáveis: o sonho e o amor. E com isso não se brinca”, revela.


Lisboa ainda conta que todo o cenário e figurino da peça, assinados por Andrei Ara e Marcela Andrade respectivamente, resgatam o glamour da época. Já a iluminação, pensada por Wagner Pinto, explora bastante a penumbra, com luminárias da época e luzes de abajures.


E a trilha sonora não podia ser diferente. “Os personagens vivem num apartamento ao lado do contrabaixista do Chet Baker e eles ficam ouvindo os ensaios desse grande trompetista e cantor ao fundo. Por isso, a trilha sonora vai ser recheada de jazz de alto nível”, antecipa o autor.


Em relação ao trabalho com os atores, ele conta que o grupo está trabalhando uma linguagem completamente realista, sob a direção de Maurício Guilherme, que também assina a trilha sonora da peça. “É uma atuação quase cinematográfica, sempre pautada pela verdade cênica, a vida como ela é”, acrescenta Lisboa.


Manhattan, de Paulo Emílio Lisboa

Temporada: 10 de maio a 28 de julho

Sextas, às 21h; Sábados, às 20h; Domingos, às 18h

Teatro Nair Bello - Shopping Frei Caneca

Rua Frei Caneca, 569, 3º Piso - Consolação

Ingressos: R$ 100

Capacidade: 200 lugares

Classificação: 16 anos

Duração: 80 minutos

コメント


bottom of page