Buscar

Lentes de contato podem levar à queda da pálpebra

Atualizado: Jul 10

Embora as lentes de contato sejam amplamente utilizadas em todo o mundo, com uma estimativa de 140 milhões de usuários, seu mau uso pode levar a problemas oculares. Um deles é a queda da pálpebra, cujo termo médico é blefaroptose ou ptose palpebral. Segundo Dra. Tatiana Nahas, oftalmologista, especialista em cirurgia de pálpebras e Chefe do Serviço de Plástica Ocular da Santa Casa de São Paulo, a ptose acontece quando a pálpebra superior cai, se situando abaixo do nível normal.O diagnóstico da blefaroptose inclui também a incapacidade do músculo elevador da pálpebra superior de subir a estrutura. A especialista reforça que há vários tipos de ptose palpebral. "A ptose causada pelo uso de lentes de contato é adquirida, sendo classificada como ptose aponeurótica. Essa ptose é causada pela desinserção do músculo que eleva a pálpebra", comenta.  “Isso pode ocorrer por diversos motivos. Entre eles podemos citar o uso de lentes de contato, o hábito de coçar os olhos, como resultado temporário de pós-operatório de cirurgia de catarata ou ainda devido a alguma inflamação ocular crônica”, explica Dra. Tatiana.  Por que as lentes de contato podem levar à ptose? De acordo com Dra. Tatiana, o uso prolongado de lentes de contato é uma das principais causas da ptose palpebral. "O principal fator de risco é a manipulação excessiva dos olhos para colocar e retirar as lentes de contato, principalmente quando a pessoa tem dificuldades para fazer isso", diz a oftalmologista. Estudos sugerem que a ptose induzida por lentes de contato seja a principal causa desta condição em jovens e adultos de meia idade.

Mecanismo da queda da pálpebra "Em uma pálpebra normal, temos os músculos chamados de elevador da pálpebra superior e o músculo de Müller, responsáveis pela abertura palpebral", explica a médica. Essas estruturas agem em sincronia para permitir os movimentos rápidos e contínuos de quando piscamos. "A ptose acontece quando há problemas nesses músculos, levando à queda da pálpebra”, afirma Dra. Tatiana. A ptose palpebral, além de ser uma questão estética, é também uma condição que altera a funcionalidade da visão. Isso porque pode haver perda do campo visual superior ou ainda a oclusão do eixo visual. "Para corrigir a visão, algumas pessoas entortam a cabeça, por exemplo, causando dores musculares e problemas de postura”, diz a especialista.  Diagnóstico e tratamento O diagnóstico da ptose palpebral deve ser realizado por um oftalmologista. O tratamento é cirúrgico, principalmente quando há perda do campo visual. O oftalmologista, especializado em cirurgia de pálpebras, é quem normalmente realiza esse tipo de cirurgia, por conhecer muito bem as estruturas do olho e da órbita. Este especialista realiza a cirurgia visando ao resultado estético, como também à preservação de estruturas nobres no olho, em prol de uma boa acuidade visual e conforto do paciente. “Na maioria dos casos, o resultado da correção cirúrgica é excelente. Com o uso de técnicas cirúrgicas modernas, o paciente não fica com cicatriz aparente, já que o corte é feito em uma prega palpebral. A visão tende a voltar ao normal e há melhora da aparência”, conclui Dra. Tatiana.

4 visualizações

Receba nossas atualizações

Siga nossas redes

  • Facebook - Círculo Branco

Copyright ©2020. Todos os Direitos Reservados 

Desenvolvido pela Redação do Grupo JBA

São Paulo - Brasil

joba@greco.com.br