Buscar
  • Redação JBA

Casa da Mulher Brasileira completa um ano de funcionamento em SP

Mais de 16 mil mulheres vítimas de violência foram atendidas em um ano no espaço que conta com serviços especializados e multidisciplinares 24 horas por dia


Mesmo durante o auge da pandemia de COVID-19 no município, período de maior rigidez nas restrições de convívio social, as mulheres vítimas de violência doméstica puderam contar com a assistência integral da Casa da Mulher Brasileira (CMB), que permaneceu aberta de segunda a segunda, 24 horas por dia, para acolher e fortalecer a autonomia das mulheres. O equipamento, considerado a espinha dorsal da rede de assistência à mulher, único do estado e o sétimo no país com estas características, completa nesta quarta-feira (11/11) um ano de funcionamento.

Desde a sua inauguração, até o dia 9 de novembro de 2020, 16.129 mulheres já procuraram a Casa em busca de serviços especializados e multidisciplinares humanizados. O espaço, na Rua Vieira Ravasco, 26, no Cambuci, região central da capital, conta com uma área de 3.659m² e um ambiente confortável, receptivo e seguro.


​A CMB recebeu recursos federais para a sua implementação e desde março de 2018 está sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), da cidade de São Paulo.


As mulheres em situação de violência encontram num só lugar serviços de acolhimento e escuta qualificada por meio de uma equipe multidisciplinar; Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) com ações de prevenção, proteção e investigação dos crimes de violência doméstica; Ministério Público, com atuação na ação penal dos crimes de violência; Defensoria Pública, com orientação às mulheres sobre seus direitos e assistência jurídica; Tribunal de Justiça, responsável pelos processos, julgamentos e execução das causas relacionadas à violência; um destacamento do programa Guardiã Maria da Penha da Guarda Civil Metropolitana para proteger as vítimas; e também um alojamento de acolhimento provisório para os casos mais graves, quando a mulher é obrigada a deixar sua casa, por risco iminente. Foi instalado também na Casa um ponto de atendimento da Central de Intermediação em Libras para atender mulheres surdas.

A secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto visitou a Casa nesta quarta (11/11) e parabenizou a equipe pelo trabalho desempenhado ao longo desse um ano de atuação. “Fico muito honrada em fazer parte desse time de mulheres que acolhe sem julgamentos e que empodera outras mulheres. A Casa da Mulher Brasileira é o resultado da união feminina na luta por menos violência e contra o feminicídio. Lutar por uma sociedade mais segura para as mulheres é lutar também por uma cidade melhor para todo cidadão. Que a Casa seja o abrigo necessário à todas as mulheres de São Paulo”.

REDE DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Além da Casa da Mulher Brasileira, as mulheres que precisam de ajuda e apoio no enfrentamento à violência doméstica e familiar podem buscar outros 10 serviços da SMDHC que atuam como portas de entrada para o atendimento e permanecem em pleno funcionamento: os quatro Centros de Referência da Mulher (CRM), os cinco Centros de Cidadania da Mulher (CCM) (das 10h às 16h), e o ônibus Lilás, que é uma unidade móvel de atendimento. A SMDHC possui mais duas Casas de Abrigo e de Acolhimento Provisório com 20 vagas cada e também pode encaminhar vítimas de violência doméstica para outros 5 abrigos municipais específicos para esta finalidade, que pertencem à estrutura da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social SMADS.


Rede de Atendimento SMDHC


Casa da Mulher Brasileira (Segunda a segunda-feira, 24 horas)

Rua Vieira Ravasco, 26 – Cambuci 11 3275-8000


CRMs e CCMs – Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

CRM 25 de Março (CENTRO)

Rua Líbero Badaró, 137, 4º andar – Centro (11) 3106-1100


Casa Brasilândia (NORTE)

Rua Sílvio Bueno Peruche, 538 (11) 3983-4294


CCM Perus (NORTE)

Rua Joaquim Antônio Arruda, 74 (11) 3917-5955


CCM Itaquera (LESTE)

Rua Ibiajara, 495 – Itaquera (11) 2073-4863


Casa Eliane de Grammont (SUL)

Rua Dr. Bacelar, 20 – Vila Clementino (11) 5549-9339


CRM Maria de Lourdes Rodrigues (SUL)

Rua Luiz Fonseca Galvão, 145 – Capão Redondo (11) 5524-4782


CCM Parelheiros (SUL)

Rua Terezinha do Prado Oliveira, 119 (11) 5921-3665


CCM Santo Amaro (SUL)

Praça Salim Farah Maluf, s/n (11) 5521-6626


CCM Capela do Socorro (SUL)

Rua Professor Oscar Barreto Filho, 350 – Grajaú (11) 5927-3102

Além da rede da SMDHC há equipamentos disponíveis também na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMADS).


Outras informações em: www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/direitos_humanos

18 visualizações0 comentário