top of page
Buscar

Caro Anatole

Por Paiva Netto

Imagem: Freepik

“Eu te instruirei e te ensinarei o caminho que deves seguir; e te guiarei com os meus olhos.”

(Livro dos Salmos, 32:8)

O velho Anatole France (1844-1924) foi um crítico implacável dos costumes e da sociedade do seu tempo. Combatia com tenacidade os desmandos de que era testemunha, como a farsa contra o capitão Alfred Dreyfus (1859-1935). De origem judaica, o militar francês tornou-se vítima de um dos maiores erros judiciais da história moderna. Ele foi, de maneira pérfida, acusado de passar informações secretas aos germânicos, as quais tinham caligrafia forçadamente semelhante à sua. Por esse motivo, foi exilado na Ilha do Diabo, situada na costa da Guiana Francesa. Os debates a respeito do caso arrastaram-se até o capitão ser totalmente inocentado, em 1906. Logo após, retornou ao exército, participando da Primeira Guerra Mundial, que se iniciou em 1914 e durou quatro anos. Foi promovido, em 1918, a tenente-coronel da reserva e, um ano depois, eleito oficial da Legião de Honra. A exemplo de Rui Barbosa (1849-1923), Émile Zola (1840-1902) foi igualmente um defensor extremado de Dreyfus.

Consciências dedicadas à Paz

Estomagado com a frieza de sentimentos que percebia à sua volta, partindo de corações nos quais deveria habitar a concórdia, Anatole escreveu que “a paz universal se realizará um dia, não porque os homens se tornarão melhores (não é permitido esperá-lo), mas porque uma nova ordem de coisas, uma ciência nova, novas necessidades econômicas hão de impor-lhes o estado pacífico, assim como outrora as próprias condições da sua existência os punham e os mantinham no estado de guerra”.

Meu caro Jacques-Anatole-François Thibault (seu verdadeiro nome), com a sua consistente formação humanista — afastados, por sua conhecida veia poética, os desgostos que lhe causaram as observações de uma sociedade a gravitar em torno de uma exasperante egolatria —, seu brilhante Espírito Imortal haverá de entender que, para não se transformar em tormento perene dos povos, o mundo precisa de consciências dedicadas à Paz. Portanto, de Almas iluminadas pela Razão, pela Justiça, mas também pelo Amor, que é sinônimo de Caridade, de modo que exista uma “nova ordem de coisas, numa ciência nova”, para que “a paz universal” venha a se realizar “um dia”. A análise limitada dos fatos humanos, políticos e sociais pela restrita visão de Espaço-Tempo terrenos tende a mostrar, mesmo às mais sagazes cerebrações, uma perspectiva sociológica desfocada, consequentemente desalentadora, dos acontecimentos. Há algo mais, porém, a começar pela existência de uma Lei Universal, chamada de Causa e Efeito, que dirige os destinos da Terra. Por isso, faz-se tão importante a compreensão desses Estatutos Divinos, os quais, levando em conta nosso direito ao livre-arbítrio, concedem a cada um de acordo com o próprio merecimento, segundo a Lei da Reencarnação — definida por um respeitado sacerdote como “o Judiciário de Deus”. Sem a evolução do sentimento humano, toda e qualquer proposta de Paz fomentará, com certeza, o ceticismo de homens inteligentes como você.

Não temer o lobo

William Ralph Inge (1860-1954) declarou que “não adianta os cordeiros proclamarem o vegetarianismo enquanto o lobo mantém opinião diversa”. No entanto, não podemos prosseguir continuamente temendo essa expectativa castradora de nossas iniciativas, porque o tempo urge. Ainda existe muita gente a querer tocar fogo no planeta, tal qual nova Roma, como se outros Neros surgissem. Para avançar, é preciso não temer o lobo, mas revestir-se das armas da paciência e da determinação e fortalecer, nas horas de perigo, a Alma, como, por exemplo, nesta súplica de Santo Agostinho (354-430): “Ó Deus! Permiti que o resplendor da Vossa Luminosidade clareie os recônditos do meu coração” (...). Orar concede tranquilidade e força ao Espírito. Aclara a mente, de modo que conceba processos espirituais pragmáticos para que seja suplantada toda dificuldade. Anote, por favor, caro Anatole, esta lição do seu compatriota Honoré de Balzac (1799-1850), autor de A comédia humana: “Todo poder é um composto de paciência e tempo”. A Paz só vigorará neste orbe quando o ser humano finalmente entender e aceitar que ela apenas poderá surgir do coração sublimado das criaturas. O restante é o que se tem visto: ideologias fortemente cerebrais, tão em voga no seu tempo, cuja consequência geral você conhece: muita expectativa e resultado a desejar. É, portanto, urgente unir cérebro e coração.



José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV), membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter). Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade. Saiba mais em www.paivanetto.com/livros.

Comments


bottom of page