Buscar
  • Paulo Panayotis

Ah, Paris, sempre Paris, a cidade mais visitada do mundo!

Por Paulo Panayotis


Então, já foi conhecer a cidade luz? Não? Então aproveite que a pandemia, finalmente, está indo embora, e programe-se. Abaixo, dicas e um genuíno desejo de que você ame Paris tanto quanto eu. Bon voyage!


Paris, França. Lá de cima do Panteão é possível ver toda a cidade. A torre Eiffel, a famosa Catedral de Notre Dame, agora sendo restaurada, e a desconhecida Igreja de Saint Etienne Dumont estão lá, ao alcance dos olhos. Em dias de céu claro avista-se até a distante igreja de Sacre Coeur. Sim, estou falando de Paris. A cidade mais visitada do mundo.

A foto perfeita de Paris

A ‘cidade luz’ continua brilhando desde sempre! Já estive em Paris mais vezes do que a maioria das pessoas, mas menos vezes do que eu gostaria. Voltarei, como tenho voltado, reiteradamente. Amo esta cidade!

Estudantes perto da Universidade de Sorbone aproveitam o sol de primavera

O legal de Paris é que a cada retorno ocorre uma nova surpresa. Tensa, intensa, charmosa, teimosa, romântica... Paris é tudo isso e um pouco mais. Em meio a um caos ordenado parece haver um charme pensado! Museu do Louvre, rio Sena, um café observando a vida passar! Ah Paris , toujour Paris dizia o poeta... Ah Paris, todos os dias, Paris... Seguramente você não morrerá de tédio na capital francesa. Há muito que ver e conhecer... Eu por exemplo, já tinha visitado o Pantheon, ou Panteão em português.

Sapatos leves para caminhada: obrigatórios!

Trata-se de um dos mais grandiosos monumentos e, para mim, um dos mais belos da cidade. Não é a toa que faz parte da prestigiosa lista de Monumentos Nacionais da Franca (www.paris-pantheon.fr). Se por fora o prédio impressiona pela grandiosidade, por dentro abriga grande parte da cultura produzida pela humanidade.

A entrada do Pantheon: deslumbrantemente clássica

Construído entre 1764 e 1790 em homenagem a Santa Geneviéve, padroeira da cidade, acabou se transformando no mausoléu mais célebre da Europa. Lá dentro repousam os restos mortais de figuras como Voltaire, Victor Hugo e Rousseau, só para citar alguns dos grandes nomes mais conhecidos. O que? Nunca foi à Paris? Então esta é uma visita obrigatória. E surpreendente. Como disse, já havia feito este passeio há algum tempo. Não sabia, no entanto, que além do passeio tradicional, havia um outro menos formal e clássico: a cúpula do Pantheon! Calma. Por apenas alguns euros a mais, você conhece um dos lugares mais altos e surpreendentes da cidade.

Quase lá!

A escadaria inicial nos leva à vista interna. Depois mais escadas e as colunas que vemos de longe estão ao nosso alcance. E o melhor: sem muita gente. Isto porque apenas um pequeno número de turistas pode subir de cada vez. Uma dica é levar água e ir com sapatos confortáveis porque subir dezenas e dezenas de degraus não é das tarefas mais comuns. Além disso o sentido da visita não permite voltar pelo mesmo lugar... E não adianta tentar porque a cada porta ultrapassada um enorme cadeado impede seu retorno. Então depois de subir terá que descer pelo outro lado. Mas ao final, se der sorte como eu dei, vai ter imagens de Paris sob um ângulo totalmente novo, inesperado.

Paulo Panayotis e a cidade de Paris... primavera com cara de verão

Outra dica: há um ponto lá em cima, de onde é possível fazer aquela foto que todo mundo busca... Ao fundo a torre Eiffel, em primeiro plano a bandeira francesa tremulando, tremulando, tremulando... Com um céu azul emoldurando a foto, não precisa de palavras para descrever a cena. Além de ficar na sua memória para sempre, ainda poderá dizer que por alguns minutos teve Paris aos seus pés!


Fotos: Paulo Panayotis & Adriana Reis.


Paulo Panayotis é jornalista profissional, ex-correspondente internacional de TV, escritor, mora pelo mundo e especialista em curadoria para a Grécia e a França.