Buscar

Telemedicina garante assistência de saúde em comunidades indígenas

Atualizado: Ago 13

Parceria entre ONG Doutores da Amazônia e empresa Mymedi

possibilita atendimento remoto para população mesmo após a pandemia


Via Artifício Comunicação


Mesmo longe estaremos perto! É assim que a ONG Doutores da Amazônia, que já realizou mais de 20 mil procedimentos em aldeias indígenas, resume a parceria com a plataforma de telemedicina Mymedi, que propiciará atendimento online, com médicos de diversas especialidades, para os povos indígenas da Amazônia.


“Em razão da pandemia da COVID-19, nossas missões estão canceladas e os voluntários do projeto não podem se deslocar até as aldeias, deixando boa parte dos povos indígenas isolados e desassistidos”, explica o dentista Caio Machado, presidente e fundador da ONG, que oferece procedimentos odontológicos e médicos, inclusive com um hospital flutuante, que percorre as aldeias da Amazônia Legal com equipamentos de última geração, fornecidos por empresas médicas e odontológicas.

A saída encontrada para continuar a dar assistência, mesmo que à distância, foi a adoção da prática de consulta online. Para ajudar nesse desafio, a Mymedi disponibilizou o acesso gratuito à sua plataforma de telemedicina para todos os médicos voluntários que atuam nessa causa. Para um dos sócios da empresa, o médico Marcelo Santoni essa é uma obrigação da sociedade. “Entendemos que precisamos dar esta contribuição”, explica Santoni.


O médico ainda ressalva que a parceria não visa oferecer assistência de saúde às comunidades apenas no período da pandemia. “Essa é uma ação de longo prazo. É uma maneira de democratizar o acesso à saúde a qual todos tem direito”. Marcelo comenta que por meio da plataforma será possível oferecer um atendimento seguro e completo já que, havendo a necessidade de realizar uma análise mais detalhada de um determinado quadro, o médico pode compartilhar o prontuário online do paciente para ter uma segunda opinião e debater com seus colegas o melhor tratamento.


Já os pacientes, poderão receber pedidos de exames e prescrição de medicamentos de maneira remota, por meio de receituário digital. Além de disponibilizar a plataforma, tanto Marcelo como Paulo Lázaro, outro sócio da empresa e médico especializado em radioterapia, farão parte da equipe de especialistas que irão realizar os atendimentos aos indígenas de forma voluntária.


Segundo dados divulgados em 28 de junho, pelo Comitê Nacional pela Vida e Memória Indígena, a pandemia já havia atingido ao menos 114 povos indígenas. O Comitê, que é integrado por lideranças indígenas, anunciou ainda que o total de infectados pelo novo coronavírus nesses grupos era de 9.414 e o número de óbitos era de 380.


A médica obstetra e ginecologista Patrícia da Cunha Alarcão, coordenadora da área médica da ONG Doutores da Amazônia, conta que foi angustiante saber que não seria possível ir até as aldeias para prestar atendimento. “O risco de contágio é muito alto, os índios estão com medo da pandemia, mas precisam de atendimento e de orientações. Várias lideranças dos povos indígenas passaram a solicitar o atendimento remoto”, revela.


Tanto Caio Machado como Patrícia Alarcão mencionam a dificuldade de acesso à internet nas aldeias, mas pontuam que mesmo com essa dificuldade o atendimento ainda é possível em muitas regiões.


“Em muitas aldeias, para chegar até um hospital, leva-se até 20 horas de barco. Por isso, a consulta com um especialista, mesmo que por internet vai ajudar muito”, pontua Machado. E, isso por duas razões: a primeira é que, ao possibilitar o atendimento remoto evita-se colocar os povos indígenas em contato com o vírus, garantindo o isolamento social necessário. O segundo ponto é que pequenas enfermidades ou doenças crônicas podem ser acompanhadas com mais rapidez e maior conforto para os pacientes.


Para Patrícia, o melhor da plataforma é que não será somente um atendimento pontual. “A possibilidade de ter um prontuário digital, com todo o histórico do paciente e até mesmo a possibilidade de prescrição de remédios e exames, oferecem um atendimento mais completo, o que não poderia ocorrer por telefone, por exemplo”, complementa.


O chefe indígena Celso Suruí afirmou que tem uma expectativa muito grande com relação ao atendimento. “Aqui temos muitos pacientes com doenças crônicas, que precisam ser acompanhados. Muitas vezes, no SUS da região, demoramos até sete meses para conseguir marcar uma consulta com um especialista. Com o atendimento online, isso vai facilitar. Nós, povos indígenas, precisamos disso e sabemos ser uma grande oportunidade de ter acesso à tratamento médico de qualidade. E mesmo depois da pandemia. A telemedicina vem para ficar”. Suruí ainda esclarece que em sua aldeia a conexão com a internet é até boa, mas sabe que outras aldeias terão problemas. Segundo ele, o importante é começar o processo e ir aperfeiçoando aos poucos. “O que não pode é deixar as aldeias sem nenhum atendimento médico”, diz.

Esse é o primeiro passo para implementar a melhoria e aprimoramento do atendimento médico, oferecendo acesso a medicina de qualidade de maneira democrática e inclusiva, respeitando as particularidades de uma população tão plural como a do Brasil, evitando que populações que vivem em áreas remotas e de difícil acesso precisem realizar deslocamentos desnecessários para ter acesso a centros médicos.


Caio Machado explica que o projeto vai começar com atendimento ao povo Surui, localizado em Rondônia e que conta com 1.500 indígenas distribuídos em 28 aldeias. Para ele, o futuro aponta que mesmo após a pandemia, o atendimento às comunidades indígenas será mesclado: atendimento presencial associado as facilidades da teleconsulta. “Cuidar dos povos indígenas, que são a origem de nosso povo, é o mesmo que cuidar da história de nosso país”, conclui o dentista.


Médicos voluntários interessados em fazer parte da equipe de teleatendimento da ONG Doutores da Amazônia, podem se cadastrar pelo site.


Sobre a Ong Doutores da Amazônia


A Organização não governamental (ONG) Doutores da Amazônia já atendeu mais de 6 mil índios na Amazônia Legal, realizando cerca de 20 mil procedimentos odontológicos e médicos. Agora, acaba de conseguir doação a doação de 17 mil máscaras, 1.500 frascos de álcool em gel 11.500 kits de higiene para indígenas de Rondônia se protegerem do novo coronavírus. A ONG é conhecida em Rondônia como Doutores sem Fronteiras e mudou recentemente o nome para Doutores da Amazônia. Os voluntários já ajudaram mais de 40 etnias indígenas e comunidades do Amazonas, Rondônia e Mato Grosso.

Sobre a Mymedi


Empresa especializada em proporcionar soluções de tecnologia na área da saúde, melhorando indicadores de satisfação e encurtando distâncias. Desenvolve modernos sistemas interativos para área médica, além de defender a praticidade da telemedicina.

160 visualizações

Receba nossas atualizações

Siga nossas redes

  • Facebook - Círculo Branco

Copyright ©2020. Todos os Direitos Reservados 

Desenvolvido pela Redação do Grupo JBA

São Paulo - Brasil

joba@greco.com.br