top of page
Buscar

Programa Redenção: uma ação que está dando certo

Por Coronel Camilo


Voltamos ao tema de um problema que ainda persiste no centro de São Paulo, mas que aos poucos vem sendo reduzido pela persistente ação do poder público e conta com um programa que, adequadamente, faz frente à situação: estamos falando da cracolândia e do Programa Redenção. A cracolândia, como é chamada, surgiu há mais de 30 anos, devido à degradação urbana. A desativação do Terminal Rodoviário da Luz, levou à falência muitos hotéis, lanchonetes, pensões e bares na redondeza. Local antes de glamour e point da cidade, ficou abandonado e passou a ser utilizado por moradores de rua que faziam uso excessivo de álcool. Passar para a maconha, nos anos 80, foi o primeiro passo. Mais tarde, chegou o crack, droga poderosa que debilitava rapidamente as pessoas, fazendo com que perdessem totalmente os valores. Daí veio o nome cracolândia. Esse não é um problema novo, nem tão pouco só do Brasil. Muitos países, dentre eles os Estados Unidos, Canadá, e alguns países da Europa, também têm a sua cracolândia, aliás em alguns, muitas delas. São ruas onde as pessoas permanecem, numa outra realidade, fazendo uso de álcool, fumo, drogas variadas, crack, vivendo num ambiente de promiscuidade, às custas do poder público e de doações bem intencionadas. Essas pessoas precisam da nossa ajuda. O que as muitos não sabem é que existe um trabalho de fôlego, sendo executado há muito tempo, de forma integrada entre o estado e o município, que tem apresentado bons resultados: é o Programa Redenção. Coordenado pela prefeitura, integra as áreas de Assistência Social, de Saúde, de Segurança Urbana, as Polícias Militar, Civil e também a Guarda Civil Metropolitana. Todos unidos num grande trabalho para resgatar essas pessoas e tornar aquele lugar, novamente, num ambiente sadio para os moradores e frequentadores da região. A prefeitura estuda a situação há muito tempo. Desde 2004, vários programas foram tentados para enfrentar esse grave problema. Podemos destacar a ação Gente na Rua, o Projeto Nova Luz e o Programa de Braços Abertos. Até que em 2017, baseado numa intensa pesquisa e na experiência passada, criou-se o sólido Programa Redenção com cinco eixos básicos: Saúde; Assistência Social ne Cidadania; Urbanismo e Zeladoria; Segurança Pública; e, Educacional. Contudo, foi em 2019 que aconteceu o grande avanço: o Programa Redenção Fase 2 agregando o Serviço Integrado de Acolhida Terapêutica - SIAT, com três fases: SIAT-I (Abordagem), SIAT-II (Tratamento) e SIAT-III (capacitação profissional e trabalho). Na fase três, depois de tratadas, as pessoas são encaminhadas para o trabalho. Reputo ser esta última fase uma das mais importantes, pois pela primeira vez se dá um encaminhamento para as pessoas, fazendo com que elas consigam sair daquele ambiente e ter continuidade na sua vida, trazendo dignidade e possibilitando a sua recuperação. Caminha-se, então, para uma real porta de saída para o usuário. Comandei a região Centro de São Paulo, conheço bem esse problema. Posso afiançar que não existe solução mágica, mas é possível enfrentar o problema com integração de todos, vontade e perseverança nas ações. O Programa Redenção Fase 2 tem conseguido fazer isso e reduzir o número de pessoas naquela situação. Quem quiser conhecer mais sobre o programa pode acessar o site da Prefeitura de São Paulo e procurar pelo programa Redenção.



Coronel Camilo é secretário-executivo da Polícia Militar. É formado em Administração de empresas pelo Mackenzie, com bacharelado em Direito pela Universidade Cruzeiro do Sul e pós-graduado em Gestão de Tecnologia da Informação pela FIAP e em Gestão de Segurança Pública pela Secretaria Nacional de Segurança Pública.

コメント


bottom of page