top of page
Buscar

Prefeitura utiliza drones para mapeamento de imóveis com possíveis focos de dengue

A Prefeitura de São Paulo iniciou nesta terça-feira (6) o monitoramento de imóveis e terrenos com possíveis focos de dengue na cidade de São Paulo com a utilização de drones. A ação foi organizada pelas secretarias Municipal da Saúde (SMS) e Segurança Urbana (SMSU), com apoio das Subprefeituras e ocorreu na rua Virgínia de Miranda & rua B B Varela, Itaquera, zona leste, onde foi registrado maior número de casos de dengue neste ano.

Foto: Divulgação Prefeitura de São Paulo

Os equipamentos são de última geração e fazem monitoramento de segurança pública na cidade. Com os drones e equipes especializadas, a Guarda Civil Metropolitana (GCM) realizará o mapeamento aéreo de imóveis onde podem haver possíveis focos de criadouros do mosquito Aedes aegypti, como cobertura de galpões com lâminas de água, caixas d’água sem tampa ou sem vedação, e recipientes de grande volume em terrenos baldios. Os locais com focos serão registrados e referenciados para que, assim, as equipes das Unidades de Vigilância em Saúde (Uvis) das respectivas regiões realizem visitas ao imóvel para orientar seus proprietários e realizar as ações necessárias, ou notificar caso o proprietário não seja localizado.

O trabalho com os aparelhos teve início no distrito administrativo de Itaquera, com três drones. Ao todo, serão utilizados 26 drones para as ações de monitoramento que ocorrerão simultaneamente entre as equipes das Uvis e da GCM em todas as seis regiões da cidade. "Esse suporte tecnológico da GCM para a Saúde será fundamental para sermos ainda mais assertivos nas ações de combate à dengue na cidade de São Paulo”, celebra o secretário municipal da Saúde, Luiz Carlos Zamarco.

“A tecnologia e expertise da Segurança Urbana na identificação precisa de criadouros amplia ainda mais o potencial de combate à dengue na capital. A prefeitura segue empregando o que tem de melhor nesse trabalho, tanto em equipes quanto em equipamentos”, diz o coordenador de Vigilância em Saúde, Luiz Artur Caldeira.

"A secretaria irá fornecer 26 drones que farão o mapeamento dos territórios com maior índice e foco da doença. O drone tem a vantagem de adentrar locais onde os agentes não conseguem entrar. E desse mapeamento será enviado um relatório técnico para subsidiar a Secretaria Municipal da Saúde e também Subprefeituras em seus procedimentos”, comenta a secretária municipal de Segurança Urbana, Elza Paulina.


Foto: Divulgação Prefeitura de São Paulo

Tenda


A SMS destaca que para atender a demanda atual, considerando o número de casos no distrito de Itaquera que chegou a 337 neste ano, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 26 de Agosto passou a contar hoje (6) com uma tenda para o atendimento de pacientes com sintomas de dengue. Os munícipes que tiverem sintomas da doença podem procurar o atendimento no local, que funcionará 24 horas, com documento de identificação.

Todos os hospitais municipais estão preparados para atender pacientes com dengue que necessitarem de internação. As unidades da rede municipal, como Unidades Básicas de Saúde (UBSs), Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), UPAs e Pronto-socorros, realizam o atendimento e dispõem de testes rápidos aos pacientes que apresentam sintomas como febre alta, dores no corpo e articulações, dor atrás dos olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. A unidade de saúde mais próxima pode ser conferida na plataforma Busca Saúde.

Ações


A Prefeitura de São Paulo, por meio da SMS, está intensificando as ações de combate ao mosquito na cidade, inclusive com a nebulização de inseticidas de domingo a domingo. No dia D de combate à dengue, realizado no último sábado (3), foram realizadas cerca de 125 mil visitas a domicílios, nebulização em 1.200 quarteirões, orientação para mais de 85 mil pessoas, além da apresentação de uma nova ação de combate à doença: um drone utilizando aplicação de larvicida em terreno de difícil acesso para eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

Neste ano, até o momento, foram realizadas 454.203 ações de prevenção ao Aedes aegypti e, em 2023, foram 5.317.437 ações, tais como: visitas casa a casa, vistorias a imóveis, ações de bloqueios de criadouros e nebulizações, orientações à população, entre outras.

Os dados da semana epidemiológica número 04 foram atualizados nesta segunda-feira (5), com 3.344 casos de dengue em residentes do munícipio de São Paulo confirmados. O boletim de casos de dengue e outras arboviroses está disponível no site da Prefeitura.

Commentaires


bottom of page