Buscar
  • Redação JBA

Prefeitura segue recomendação da saúde pública e cancela carnaval de rua

Decisão foi baseada em dados técnicos da Secretaria Municipal da Saúde, que apontaram um aumento considerável do número de novos casos de pacientes com alguma síndrome gripal na cidade

Concentração do bloco Olha o Sucesso, que homenageia a cultura Pernambucana, na rua da Consolação, em 2017 (Imagem: Rovena Rosa/Agência Brasil)

A cidade de São Paulo não terá carnaval de rua neste ano. Essa decisão foi anunciada na manhã desta quinta-feira pelo prefeito, Ricardo Nunes com base em dados técnicos apresentados pela Vigilância Sanitária sobre o crescimento de casos e contaminação da variante ômicron e do surto de gripe na capital paulista. Já os desfiles das escolas de samba serão tema de discussão entre representantes da Prefeitura e da Liga das Escola de Samba para definição de protocolos a serem seguidos.

Para o prefeito, a decisão de não permitir as folias de rua foi tomada prevalecendo a orientação das autoridades de saúde. “Demonstramos total transparência no anúncio do cancelamento com a apresentação dos dados preocupantes do cenário epidemiológico na cidade. Existia uma proposta de se fazer um carnaval controlado com o Passaporte da Vacina em ambientes grandes e abertos como o autódromo, mas também está descartada essa possibilidade”.

“No ponto de vista legal, não existe nenhuma implicação. Em toda aprovação e publicação dos blocos foi deixado claro que a realização das atividades estava condicionada a autorização da Vigilância Sanitária. Em todo momento a gente reforçou isso. O patrocinador não depositou o recurso”, explicou o secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi.

Desfiles Para realização dos desfiles das escolas de samba serão elaborados protocolos sanitários em conjunto com a Liga das Escolas de Samba. “Vamos construir um protocolo como construímos com outras atividades. Acabamos de fazer um para São Silvestre e ela foi coberta de sucesso, com o cumprimento de tudo aquilo que a Vigilância Sanitária exigiu para realização do evento. Inclusive com os corredores iniciando a corrida com máscara”, explicou o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

O secretário também destacou que existem pontos sensíveis para serem superados. “Por exemplo, a concentração antes da entrada no Sambódromo e em relação a concentração que acontece durante os ensaios”, completou.

Passaporte da Vacina A partir da próxima segunda-feira (10) todos os eventos da capital deverão exigir o Passaporte da Vacina. “Tínhamos um protocolo inicial que apontava que eventos com mais de 500 pessoas deveriam exigir o passaporte. Estamos fazendo essa alteração em função do quadro epidemiológico que a cidade vive hoje. Enquanto existir esse quadro de ascensão da ômicron na cidade, vamos exigir para qualquer evento a necessidade do passaporte”, finalizou o secretário Edson Aparecido.

Aumento de casos O aumento do número de pacientes com síndromes gripais vem sendo gradativo nos últimos dias. A rede de Saúde, por exemplo, apontou que ontem, quarta-feira, 53 mil pacientes procuraram os serviços com sintomas respiratórios. Por conta desse número elevado de novos casos, o prefeito Ricardo Nunes determinou a abertura de todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e das unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMAs) também aos sábados.

A Prefeitura de São Paulo já havia se antecipado a esse aumento de demandas na área de saúde com ações como:

  • Solicitação ao MS/ANVISA de exigência de Passaporte de Vacina em portos e aeroportos;

  • Antecipação de doses de reforço de vacinas AntiCovid de 5 apara 4 meses após a D2;

  • Solicitação de vacinas de Influenza e sugestão de adiantamento da campanha Sazonal;

  • Início de testagem rápida de Antígeno COVID19 e Influenza em toda a rede pública de pronto atendimento;

  • Abertura de Pronto Atendimento a sintomáticos respiratórios em todas as UBS (sem necessidade de agendamento);

  • Referenciamento de 600 leitos hospitalares exclusivos para atendimento de Síndrome Gripal não COVID19;

  • Contratação emergência de 280 médicos e enfermeiros;

  • Suspensão dos pontos facultativos de final de ano (24/12 - 30 e 31/12), com abertura de todas as 469 UBS para pronto atendimento das Síndromes Gripais e vacinação AntiCovid e de Influenza.

Dose de reforço É extremamente importante que o público apto residente na cidade de São Paulo procure as unidades de Saúde da capital para tomar a dose de reforço antiCovid. A relação com todos postos de vacinação pode ser acessada na página Vacina Sampa.

“A vacinação diminui o número de óbitos. É incontestável os dados técnicos de que a vacina salva vidas. A vacinação foi aumentando e os óbitos diminuindo. São Paulo, a capital mundial da vacina, teve uma redução muito grande do número de óbitos por conta da vacina”, disse o prefeito Ricardo Nunes.

Medidas sanitárias Além da vacinação, a população deve seguir cumprindo todas as recomendações sanitárias como:

  • Manter o uso de máscaras obrigatório na comunidade;

  • Higienização das mãos;

  • Etiqueta Respiratória;

  • Evitar qualquer tipo de aglomeração onde não se possa ter controle sanitário seguro.