top of page
Buscar

Musical infantojuvenil PinóQuio chega ao Centro Cultural Banco do Brasil

“PinóQuio” estreia no CCBB SP após sucesso no Rio, Belo Horizonte e Brasília

Imagem: Renato Mangolin

Quem visita o Centro Cultural Banco do Brasil pode conferir, até 6 de junho, o musical PinóQuio. A obra tem 30 canções e textos feitos sob encomenda pelo maestro e compositor Tim Rescala. Concepção e encenação são de Miguel Vellinho, da Cia PeQuod – teatro de animação.


A partir da história do italiano Carlo Collodi (1826-1890), autor de “As aventuras de Pinóquio”, o espetáculo enfatiza a importância da ética e da educação na formação do indivíduo desde a mais tenra idade, com menor importância para o nariz do boneco de madeira que se alonga a cada lorota.

A história se passa no Circo Collodi, em que os mestres de cerimônia são os cantores-atores Mona Vilardo, soprano, e Santiago Villalba, barítono. Além disso, participam com outros personagens num vaivém espantoso, marca onipresente em toda a encenação. Pinóquio é interpretado por Liliane Xavier, que não sai de cena um só minuto. Geppetto é feito por Marcio Nascimento e Marise Nogueira interpreta o Grilo Falante. A Fada Azul é uma ode às mães e também ganha uma interpretação poética de Mona Vilardo.

O musical evidencia possibilidades do folhetim de Collodi para narrar a saga do pequeno herói no amadurecimento e construção de valores éticos, sempre iluminando a importância da educação. Afinal, Pinóquio quer deixar de ser boneco de madeira para se tornar gente. Tudo tem um preço, como ele vivencia a cada tropeço mesmo sempre amado pelo pai adotivo Geppetto.

O público de São Paulo não perde por esperar. A cada sessão, de 100 minutos, inexiste instante para cochilo. O personagem-título, por exemplo, não sai do palco nunca. Liliane Xavier corre, pula, faz números com perna-de-pau, deita e rola sem perder o fôlego. Os demais atores idem. Todos cantam, dançam, tocam instrumentos e movimentam peças do cenário numa sucessão de cenas zero tédio. O vaivém é cirurgicamente cronometrado, costurado pelas canções de Tim Rescala.

Nunca antes o boneco de madeira que queria virar gente teve sua história contada dessa forma. Pode crer! Aventureiro que se acha supra-sumo da esperteza, cara-de-pau toda vida, engambela o pai Geppetto, cabula aula e passa cada sufoco que só vendo. Afinal, sempre tem alguém cheio de maldade querendo se aproveitar da inocência de uma criança.

“Ao estrear em dezembro de 2021 no Rio, nós vivemos a responsabilidade da retomada do teatro presencial. Ter São Paulo na conclusão desta itinerância da peça nos CCBBs é uma alegria diferente na atualidade. Rio e São Paulo são centros de produção teatral muito tradicionais. Trata-se aqui de um momento de reencontro e também de encontrar novos espectadores”, destaca Miguel Vellinho, da Cia. PeQuod.


“Apoiar programação de qualidade, com condições acessíveis para o público são as principais prioridades do Centro Cultural Banco do Brasil. Com o espetáculo PinóQuio, o CCBB continua a colaborar com a produção teatral brasileira” reforça Cláudio Mattos, gerente geral do CCBB em São Paulo.


Musical PinóQuio

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo Rua Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico

Até 06 de junho

Segunda e Sexta, 19h | Sábado e Domingo, 15h

Ingressos: R$15 e R$ 30, pelo site bb.com.br/cultura

Comments


bottom of page