Buscar
  • Redação JBA

Museu Afro Brasil tem programação especial e entrada gratuita no Dia da Consciência Negra

Atividades incluem apresentações de grupo de chorinho em tributo a Pixinguinha e da Orquestra Performática

Imagem: Instagram MuseuAfro Brasil

O Museu Afro Brasil preparou uma programação especial para celebrar o Dia da Consciência Negra. A entrada ao museu, localizado no Parque Ibirapuera, será gratuita durante todo o sábado, dia 20 de novembro, permitindo que o público visite a exposição de longa duração de seu rico acervo, as cinco exposições temporárias em cartaz, além de participar das atividades especiais que acontecerão na área externa.


A partir das 12h haverá a apresentação do projeto Pequeno Circo do Choro, que realiza ocupações culturais em espaços públicos de São Paulo. Seus oito integrantes farão uma roda de choro em homenagem a Pixinguinha, um dos maiores compositores da música popular brasileira. O grupo circulará em cortejo musical, partindo da área interna do museu e seguindo até a área externa, convidando o público a sentir a música com o corpo, a dançar e caminhar ao sentimento e embalo do choro, do maxixe, da marcha, do samba, da valsa, entre outras composições do universo de Pixinguinha.


Um pouco antes, às 11h, o educador Wasawulua Daniel trará ao público, também na marquise do Museu Afro Brasil, histórias e brincadeiras originárias da República Democrática do Congo, ensinando danças e canções em lingala e outras línguas da região. Finalmente, às 15h haverá a apresentação da Orquestra Performática, criada em 1981 pelo artista José Roberto Aguilar, como, segundo ele próprio “uma espécie de ícone transgressivo que aconteceu na contracultura daquele momento”. A banda mescla performance musical, poesia, pintura e dança.


O público que comparecer ao Museu Afro Brasil no Dia da Consciência Negra também poderá conferir, gratuitamente, a exposição temporária “Terra em Transe”, uma mostra que reúne cerca de 600 obras de 60 fotógrafos de todo o país e discute temas viscerais do Brasil, trazendo à tona retratos das injustiças sociais, raciais e políticas. A mostra, que teve uma primeira edição em 2018 durante o Solar Foto Festival, no Ceará, foi atualizada pelo curador Diógenes Moura para sua realização no Museu Afro Brasil, com a adição de temas como as queimadas no Pantanal e na Amazônia, o incêndio na Cinemateca, o desastre ambiental de Brumadinho e a tragédia social do país. Terra em Transe permanecerá em exibição no Museu Afro Brasil até 18 de dezembro.


Os presentes nesta comemoração terão também uma última oportunidade para visitar a exposição de arte e cultura indígenas “Heranças de um Brasil Profundo”, cujo encerramento está previsto para o domingo, dia 21/11.


Estão ainda em cartaz as exposições “Frida Orupabo” – em correalização com a 34ª Bienal, “Embyra” e “Design e Tecnologia no Tempo da Escravidão”.


A programação especial do museu também inclui, a partir das 11h30, participação em painel temático na I Expo Internacional da Consciência Negra. O painel contará com representantes do Museu Afro Brasil e do Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana de Washington e discutirá as conquistas e desafios na preservação da cultura preta como instrumento de combate ao racismo estrutural no Brasil e nos EUA.

1 visualização0 comentário