Buscar
  • Redação JBA

Mulheres casadas e homens casados: fiquem tranquilos

Por Fernando Jorge


Sim, casais, fiquem sossegados. Explico, não complico. E replico. Tudo terminado em ico, eu que não sou rico. O meu romance Eu amo os dois, lançado pela editora Novo Século, devido ao seu sucesso, sua grande vendagem, está fazendo vir a mim dezenas e e-mails, cartas, telefonemas. E por quê? Devido ao fato de ser a narrativa de uma história real, que aconteceu na época da minha juventude. Sou, repito, o personagem Rodrigo, desse romance autobiográfico. Nele, praticamente, não inventei nada.


A história do romance Eu amo dos dois é simples, mas perturbadora. Descrevo um amor diferente, bem diferente de todos outros amores.


No tempo em que fui estudante da Faculdade Direito do largo de São Francisco, na capital paulista, eu, um rapaz feio, magrelo, namorei uma jovem de beleza excepcional. Moça tão linda, de rosto e de corpo que atraia a atenção das pessoas que a viam em qualquer lugar. Muitos achavam que era parecida com a Elizabeth Taylor, fascinante atriz de Hollywood.


Resumindo tudo: ela amava, de modo idêntico, o seu primo de primeiro grau, um alto, forte e belo rapaz, e eu, um jovem feio, desprovido de músculos, de atributos físicos. Amava os dois de forma sincera por este motivo: sua mãe, desde quando a minha amada era pequenina, não parava de lhe dizer:


- Filha, namore sempre dois rapazes, ao mesmo tempo, pois se um escapar, você ficará garantida com o outro.


Ela ouviu este conselho centenas de vezes, desde os cinco, os seis, os sete, os oito, os nove, os dez anos e por aí vai. Consequência: sem desejar ser falsa, infiel, passou a amar o primo e a mim. O interminável conselho da mãe, repetido durante anos e anos, incorporou-se à sua psicologia, à sua natureza, sem que pudesse libertar-se dele.


Mulheres casadas, que leram o meu romance autobiográfico Eu amo os dois, não param de me perguntar:


- Escritor Fernando Jorge, amo o meu marido, sou uma esposa fiel, mas após ler o seu romance autobiográfico, tenho perguntado a mim mesma se, de um momento para o outro, poderei também amar algum outro homem, como a personagem Elza do seu romance.


De vários maridos, jovens, maduros, ouvi esta pergunta:


- Escritor Fernando Jorge, a minha mulher poderá, de repente, ficar gostando de outro homem, sem se sentir culpada?


Limito-me a responder:


- Mulheres casadas e homens casados, fiquem tranquilos, pois na vida conjugal de vocês não existe a sombra de mães que sempre aconselham as filhas a namorar dois homens ao mesmo tempo, para se sentirem seguras, pois no caso de um escapar, ficariam garantidas com o outro.


Fernando Jorge é jornalista, escritor, dicionarista e enciclopedista brasileiro. Autor de várias obras biográficas e históricas que lhe renderam alguns prêmios como o Prêmio Jabuti de 1962. É autor do livro “Eu amo os dois”, lançado pela Editora Novo Século.

13 visualizações0 comentário