top of page
Buscar

Estresse e sedentarismo acendem alerta para hipertensão em pessoas cada vez mais jovens

A hipertensão, fator de risco cardiovascular que pode evoluir para doenças graves, como, por exemplo, infarto e AVC, deixa, em sua data nacional de prevenção (26/4), um alerta aos jovens.


Foto: Acervo Rede D'Or

Embora menos frequente na faixa etária, a enfermidade em pessoas entre os 30 e 40 anos está em ascensão. “Alguns dos principais motivos para esse fenômeno é a rotina cada vez mais intensa e exigente de trabalho, onde os jovens estão sempre conectados e disponíveis, associados ao sedentarismo e maus hábitos alimentares, que causam maiores níveis de tensão vascular, influindo na distribuição sanguínea do corpo”, explica o Dr. Roberto A. Vasques Jr., coordenador de Cardiologia do Hospital São Luiz Jabaquara.

De acordo com o especialista, para não se chegar à velhice hipertenso, algo comum a 65% dos idosos, os mais novos devem se antecipar e agir preventivamente, incluindo ações funcionais, saudáveis e proativas ao bem-estar corporal, psicológico e espiritual.

“Dietas baixas em gordura, tais quais a mediterrânea, a vegetariana/vegana, a nórdica, além de uma ingestão baixa de carboidrato e sódio, trarão benefícios de longo prazo. Um apoio mental, de psicólogos/psicoterapeutas, e até mesmo espiritual, é igualmente recomendável. Tudo isso promoverá uma rotina mais saudável e equilibrada nesses dias corridos”, analisa.

No Brasil, de acordo com o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, o número de hipertensos está em expansão na última década. Em 2021 foram registradas 39.964 mortes pela doença, dado 72% superior em relação ao de 2011, com 23.233 óbitos por pressão alta.

“Podemos dizer que o Brasil vive uma transição epidemiológica de hipertensão arterial. A interpretação dos números sugere que as próximas gerações sofrerão com um incremento substancial na prevalência de hipertensos e suas complicações, como reflexo direto os maus hábitos atuais”, alerta Vasques.

Outro agravante é o fato da hipertensão arterial ser assintomática, já que menos de 10% dos portadores apresentam sintomas, como tontura, falta de ar, palpitações, dores de cabeça e alteração na visão. Essa característica da doença ressalta o papel primordial dos exames de rotina para diagnóstico precoce, fundamental para iniciar o tratamento adequado antes do surgimento de outras complicações.

“É importante que o paciente esteja em dia com seus exames, mas também mantenha o zelo com a própria saúde. Ações como praticar esportes e atividades físicas, controlar o peso, não fumar, ingerir álcool com parcimônia e controlar o diabetes complementam a chave para não ter problemas arteriais na juventude e, por consequência, na maturidade”, finaliza o profissional do São Luiz Jabaquara.

Localizado na zona Sul da capital paulista, o hospital da Rede D’Or conta com um Ambulatório Cardiovascular e equipe altamente especializada. O serviço possui um parque tecnológico moderno e diversificado, pronto para a realização de consultas, exames e cirurgias, além de um pronto-socorro completo voltado a cuidados preventivos ao coração e artérias.

O que é pressão arterial?

Caracterizada pela elevação sustentada acima de 140×90 mmHg (milímetro de mercúrio) dos níveis de pressão nas artérias (principais canais por onde o sangue é distribuído), a hipertensão é um caso único na medicina, diagnosticada por uma medida matemática de razão/proporção, encontrada em simples checagens de contração braçal.

O primeiro número refere-se à pressão máxima ou sistólica, que corresponde à contração do coração. Já o segundo tem a ver com a força do movimento de diástole, quando o coração relaxa e espalha sangue novo na corrente.

A condição pode ser primária, quando genética e determinada por histórico familiar, ou secundária, decorrente de outras comorbidades, como questões renais, da tireoide, diabetes, estresse e colesterol alto.

Comentarios


bottom of page