Buscar
  • Fernando Jorge

Dizer que a Bíblia é cem por cento tolerante é uma grande mentira

Por Fernando Jorge

Imagem: Adobe Stock

Quando eu era jurado do programa do Bolinha na TV Bandeirantes, apresentado aos sábados em rede nacional, um padre da Igreja a qual pertenço, a Igreja Católica, foi entrevistado por ele e declarou firmemente:

– Bolinha, devemos imitar a Bíblia, ser cem por cento tolerantes.

O apresentador voltou-se para mim e fez esta pergunta:

– Fernando Jorge, meu jurado, você concorda com esta afirmativa?

Olhei de modo firme o sacerdote e respondi de modo também firme:

– Discordo, e saliento com respeito, padre, sou católico como o senhor, católico praticante, mas a Bíblia não é cem por cento tolerante.

Ele respondeu:

– O senhor pode provar?

Tranquilo, sorrindo, expliquei:

– Padre, leio a Bíblia diariamente, há mais de trinta anos, e sei até de cor vários dos seus textos, nos quais ela não se mostra tolerante. Vou citá-los, o senhor poderá verificar.

Fiz uma pausa e prossegui:

– Além de não se mostrar tolerante com a hipocrisia, a Bíblia, condena com ardor a mentira.

Passei a citar os seguintes trechos do livro sagrado:

“O Senhor abomina um falso testemunho que profere mentiras” (Provérbios, 6-19)

“O falso testemunho não fica sem castigo, quem exala mentiras não escapará” (Provérbios, 19-5).

“Não inventes nenhuma mentira contra teu irmão, não inventes nenhuma mentira contra teu amigo” (Eclesiástico, 7-13).

“Mais vale um ladrão do que um mentiroso contumaz” (Eclesiástico, 20-27).

“A mentira é no homem uma vergonhosa mancha, não sai dos lábios das pessoas mal-educadas” (Eclesiástico, 20-18).

Após eu citar estas frases da Bíblia, o padre foi modesto e reconheceu:

– O senhor está certo, havia me esquecido destas palavras do livro sagrado.

Gostei da confissão e disse:

– Isto pode acontecer com pessoas sinceras, de bom caráter.


Fernando Jorge é jornalista, escritor, dicionarista e enciclopedista brasileiro. Autor de várias obras biográficas e históricas que lhe renderam alguns prêmios como o Prêmio Jabuti de 1962. É autor do livro “Eu amo os dois”, lançado pela Editora Novo Século.