top of page
Buscar

Coceiras na garganta podem indicar problemas respiratórios e até gástricos

Especialista alerta para os riscos dos tratamentos caseiros, como gargarejos com vinagre e álcool

Imagem: Freepik

Em meio à estação mais fria do ano, os termômetros apontam temperaturas consideravelmente altas e, devido à ausência de chuvas, o clima passa a sensação de estar ainda mais seco que normal, podendo provocar inúmeros sintomas. Tosse, sangramento nasal, ressecamento da pele e coceiras na garganta estão os principais.


Conforme o Dr. Camillus Magalhães, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, apesar de comum em grande parte do público, principalmente durante o tempo seco, a coceira na garganta pode ajudar a identificar refluxos laringofaríngeos, resfriados, desidratação, rinite e alergias, desde as respiratórias até as alimentares.

O médico explica que receitas caseiras, como gargarejos, em vez de ajudar na resolução do problema, podem agravar ainda mais o quadro.


“Em episódios de coceiras na garganta, a hidratação e umidificação das vias aéreas são sempre o melhor a se fazer, principalmente quando o paciente ainda não passou por uma avaliação especializada. Nunca se deve usar vinagre ou outras substâncias, tais como álcool para gargarejo, uma vez que podem mudar o pH da garganta e levar a outros malefícios”, ressalta.


Entenda cada um dos problemas:

Refluxo laringofaríngeo - o refluxo laringofaríngeo caracteriza-se pelo retorno do alimento do estômago às áreas acima do esfíncter esofágico, incluindo cavidade nasal, boca, faringe, laringe, traqueia e/ou pulmões. “A origem deste problema ainda não está totalmente esclarecida, mas sugere-se que seja multifatorial.”


Rinite - a rinite é uma inflamação e/ou disfunção da mucosa de revestimento nasal, caracterizada por alguns dos seguintes sintomas: obstrução nasal, rinorreia – presença de secreção e corrimento nasal –, espirros, prurido nasal e hiposmia, que é a diminuição do olfato induzida pela inalação de algum alérgeno, como o ácaro, por exemplo.


Resfriado - o resfriado é um tipo de infecção que acomete as vias aéreas superiores, com foco principal no nariz e na garganta. Seu quadro costuma ser mais leve e limitado, variando entre coriza, espirros e mal-estar.


Desidratação - conforme o especialista, a desidratação consiste num quadro em que o organismo apresenta uma quantidade insuficiente de água, devido à ingestão insuficiente de líquidos. “Além da coceira na garganta, ela pode ser acompanhada por sintomas como sede, boca seca, pele e olhos secos e diminuição da quantidade de urina.”


Alergia - a alergia é uma resposta exagerada e excessiva do sistema imunológico a substâncias diversas, que entram em contato com o organismo, seja por via respiratória, cutânea ou até mesmo por ingestão.


De acordo com Dr. Camillus, além da garganta, as coceiras podem surgir nos ouvidos, nariz e olhos, que também podem lacrimejar. Além disso, é comum que o indivíduo apresente nariz entupido, espirros, coriza, dores de garganta e no corpo.


O tratamento ideal para a coceira na garganta irá depender do causador do problema. Por isso, ao apresentar o sintoma, o correto é buscar um especialista.

Dr. Camillus explica que antialérgicos podem ser indicados para os casos de alergia e as medicações específicas para inibir a secreção gástrica, em casos de refluxo. No entanto, também é importante mudar o estilo de vida e a alimentação.


“Para a maioria dos casos, o ideal é a hidratação, que deve ser feita em abundância. Também é importante que as pessoas nunca se automediquem, já que este hábito, em vez de tratar o problema, pode mascarar os sintomas da doença”, finaliza o especialista.


Comments


bottom of page