top of page
Buscar

As casas podem ficar com os sentimentos das almas dos que moram nelas

Por Fernando Jorge

Freepik

Eu estava noivo da minha futura esposa, quando disse a ela:


– Já estou em condições, como funcionário público, de comprar uma casa, com o auxílio do IPESP (Instituto de Previdência do Estado de São Paulo).


Ela me deu o endereço de um corretor da área de Santo Amaro e eu me encontrei com ele. O corretor me disse:


– Posso levá-lo amanhã para ver uma casa térrea muito boa e barata, que precisa apenas de pintura e pouca reforma.


No dia seguinte, às dez horas da manhã, fui com ele ver a casa. Media mais de dez metros de frente e tinha larga varanda. Eu estava alegre, feliz, quase assobiando, com essa euforia, essa boa disposição e bom humor que são características da juventude, da idade na qual tudo nos sorri e ainda não conhecemos a melancolia, a tristeza causadas pelas ilusões perdidas.


Mas, coisa estranha, à medida que fui andando pela casa, junto do corretor, uma tristeza enorme, crescente, apoderou-se de mim. Procurei disfarçá-la, escondê-la. Todavia, ao entrar no último quarto, o maior, o mais espaçoso, a minha tristeza se tornou imensa, senti vontade de chorar. Controlei-me com esforço, a fim de não deixar o corretor perceber isto.


Terminada a visita, saímos da casa. Eu disse a ele que lhe daria a resposta sobre a compra no dia seguinte. Depois, à noite, indo à presença da minha noiva, pronunciei estas palavras:


– Aconteceu comigo, hoje de manhã, uma coisa estranha. Eu estava alegre, otimista, antes de entrar na casa com o corretor, porém, à medida que fui percorrendo a casa, ao seu lado, apoderou-se de mim uma tristeza indescritível, e tão grande, tão forte, que no último quarto senti vontade de chorar muito.


Após contar o fato, acrescentei:


– Desconfio que nessa casa viveu uma alma bem sofredora e que ficava chorando no último quarto, sem parar.


No dia seguinte, contei ao corretor o que havia sentido e pedi a ele:


– Diga-me, naquela casa viveu uma pessoa bastante sofredora?


O corretor arregalou os olhos e quis saber:


– Alguém contou a você que lá viveu uma mulher que chorava o dia inteiro, por causa de uma tragédia que aconteceu na sua vida?


Respondi de modo firme:


– Ninguém me contou nada e embora católico, possuo forte mediunidade. Captei a tristeza, a angústia dessa pobre mulher. Agora passo a acreditar, as casas podem ficar com os sentimentos das almas dos que moram nelas...


Fernando Jorge é jornalista, escritor, dicionarista e enciclopedista brasileiro. Autor de várias obras biográficas e históricas que lhe renderam alguns prêmios como o Prêmio Jabuti de 1962. É autor do livro “Eu amo os dois”, lançado pela Editora Novo Século.

Comments


bottom of page