top of page
Buscar

Agressão a Luan é reflexo do momento vivido pelo Corinthians

Por Roberto Maia


Para a torcida do Corinthians, o dia 4 de julho ficou marcado para a história. Foi nesse dia, no ano de 2012, que o Timão conquistou a tão sonhada taça da Copa Libertadores da América. E onze anos depois, a data também será lembrada pela brutalidade e violência de alguns torcedores contra o jogador Luan. O atleta foi agredido dentro de um motel, onde estava na companhia de amigos e algumas mulheres. Vídeos compartilhados em redes sociais mostram o Luan sendo insultado e cobrado para rescindir seu contrato com o clube.


A aparente falta de disposição do jogador e o seu alto salário geraram a ira dos torcedores. Ironicamente, a agressão aconteceu horas depois que ele participou de um podcast do ex-jogador Denilson, onde pediu uma nova chance e disse estar preparado para voltar a jogar pelo Timão. Luan sempre se declarou corintiano e que estar no Corinthians é um sonho realizado.

Desde o início do ano Luan está afastado do elenco profissional do Corinthians e vem treinando separado do grupo. (Foto: Rodrigo Coca/Ag.Corinthians)

Nascido em São José do Rio Preto, no dia 27 de março de 1993, Luan trilhou um caminho de sucesso até chegar ao Corinthians no final de 2019. A transação custou ao Timão mais de R$ 28 milhões à época.

Desde muito jovem, Luan demonstrava um talento natural para o futebol. Jogou futsal até os 16 anos, onde desfilava dribles desconcertantes e habilidades técnicas que chamaram a atenção dos olheiros. Levado ao futebol em 2012, disputou a Série B-1 do Campeonato Paulista pelo Tanabi. Meses depois foi para o América-SP, tendo disputado a Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2013. Foi o destaque da equipe ao marcar 6 gols na competição.


A projeção o levou para o Grêmio, onde rapidamente se tornou uma peça importante no time. No time gaúcho, Luan viveu o auge de sua carreira. Em 2016, ele foi fundamental na conquista da Copa do Brasil, sendo o artilheiro da competição e um dos destaques do time. No mesmo ano, também brilhou na Copa Libertadores da América, levando o tricolor gaúcho à conquista do título continental. Fez o gol do título e foi considerado o melhor jogador das Américas. Como consequência, se tornou um dos jogadores mais cobiçados do futebol brasileiro.


No mesmo ano chegou à Seleção Brasileira e conquistou a medalha de ouro nas Olimpíadas. Foi titular absoluto e um dos destaques do time campeão, principalmente pelos três gols e duas assistências em cinco jogos. Em 2017, foi convocado por Tite para as partidas contra Equador e Colômbia pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2018.


Fora dos gramados, Luan teve uma infância com muitas dificuldades. Esteve no limite de cair no mundo do crime. O futebol o salvou. E ele sempre se mostrou grato pela oportunidade de jogar futebol profissionalmente.

Quando Luan foi contratado pelo Corinthians a expectativa era enorme, mas ele nunca conseguiu repetir o futebol que o consagrou no Grêmio. (Foto: Daniel Augusto Jr./Ag.Corinthians)

Com a camisa do Corinthians, Luan mostrou apenas flashes de seu talento. Em alguns jogos, ele demonstrou sua habilidade técnica refinada, visão de jogo e capacidade de criar jogadas. Marcou nove gols e deu assistências importantes. Nada mais. No entanto, nada justifica a atitude de torcedores ao agredir o jogador.



Roberto Maia é jornalista e cronista esportivo. Iniciou a carreira como repórter esportivo, mas também dedica-se a editoria de turismo, com passagens por jornais como MetroNews, Folha de São Paulo, O Dia, dentre outros. Atualmente é editor da revista Qual Viagem e portal Travelpedia.

Opmerkingen


bottom of page