Buscar
  • Fernando Jorge

A minha rica coleção de loucos

Por Fernando Jorge

Freepik

Um amigo me disse:

– Fernando, você tem uma rica coleção.

Respondi que na minha biblioteca não tinha apenas uma rica coleção de livros e sim mais de setenta coleções em português, espanhol, francês, inglês, etc.

O meu amigo explicou:

– Não, Fernando, não me refiro a uma coleção de livros.

Indaguei, surpreso:

– Mas a que tipo de coleção você se refere?

Eis a resposta imediata:

– Coleção de loucos.

Eu comecei a rir, porém o meu amigo não mentiu, de fato tenho muitos loucos que gostam de mim, que me visitam, conversam, me abraçam, telefonam, me dão balas, chocolates, doces... Como isto acontece? Talvez porque esses loucos acham que também sou louco. E olhe, amigo leitor, é possível que estejam certos...

Agora vou contar fatos sobre os meus amigos loucos. Eles gostam de me visitar e de se abrirem em confidências. Quase todos começam a conversa assim:

– Meu querido amigo escritor...

Eu os ouço de modo atento e eles ficam encantados, cheios de gratidão. Um me disse, na véspera do Natal, há dois anos:

– Meu querido amigo escritor, resolvi ser presidente da República. Sabe por quê? Para criar o imposto solteirice. Como será esse imposto? Será assim, todos brasileiros de ambos os sexos, que não se casarem a partir dos vinte anos, serão obrigados a pagá-lo. Não é genial? Bem genial?

Mostrando-me tão louco como ele, disse com voz alta: genial!

Um médico meu amigo ficou biruta, lelé da cuca, e revelou, exibindo uma cara feliz:

– Meu querido amigo escritor, descobri uma coisa sen-sa-cio-nal!

Emocionado, com lágrimas nos olhos, soltou estas palavras:

– Descobri que cocô de galinha, se for engolido todas as manhãs, elimina a anemia, a sífilis e a tuberculose. Juro. Diga, não mereço, por causa disso, ganhar o Prêmio Nobel de Medicina?

Concordei, sem demora:

– Merece, não há dúvida, merece!

Volta e meia tais loucos me visitam e pedem para eu escrever artigos sobre as suas descobertas sen-sa-cio-nais. É, aquele meu amigo está certo:

– Fernando, você tem uma rica coleção de loucos.

Talvez eu seja um louco dotado de um dom especial: o dom de atrair outros loucos.



Fernando Jorge é jornalista, escritor, dicionarista e enciclopedista brasileiro. Autor de várias obras biográficas e históricas que lhe renderam alguns prêmios como o Prêmio Jabuti de 1962. É autor do livro “Eu amo os dois”, lançado pela Editora Novo Século.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo