Buscar
  • Redação JBA

Água da piscina inativa vírus Covid-19 em 30 segundos, segundo novo estudo

Os resultados sugerem que o risco de transmissão da Covid-19 na água da piscina é incrivelmente baixo

Imagem: Wavebreakmedia / Freepik

Água da piscina pode inativar o vírus Covid-19 em apenas 30 segundos nas condições certas, revela estudo de virologistas do Imperial College London.


Os resultados, que não foram publicados em uma revista revisada por pares, sugerem que o risco de transmissão da Covid-19 na água da piscina é incrivelmente baixo.


A Swim England trabalhou em colaboração com a empresa de natação para bebês Water Babies e a Royal Life Saving Society UK (RLSS UK) para encomendar o estudo e fornecer contexto e materiais para a pesquisa.


À medida que as piscinas cobertas em todo o país reabriram no dia 12 de abril, como parte do roteiro do governo britânico para aliviar as restrições de bloqueio, a diretora executiva da Swim England, Jane Nickerson, saudou os resultados como “notícias fantásticas”.


O estudo sobre a água da piscina foi realizado pela principal virologista e especialista em vírus respiratórios, Professora Wendy Barclay, juntamente com o pesquisador associado Dr. Jonathan Brown e a técnica de pesquisa Maya Moshe, do Imperial College London, e projeto gerenciado por Alex Blackwell, chefe de piscinas e instalações da Water Babies.


Ele analisou os efeitos da água da piscina no vírus que causa a Covid-19, chamado SARS-CoV-2, para avaliar a quantidade de tempo e contato necessários para desativar o vírus em diferentes níveis de cloro e pH.


‘O vírus não sobrevive’

A pesquisa estabeleceu que 1,5 mg por litro de cloro livre com um pH entre 7-7,2 reduziu a infectividade do vírus em mais de 1000 vezes em 30 segundos. Testes adicionais de diferentes faixas de cloro livre e pH confirmaram que o cloro na água da piscina foi mais eficaz com um pH mais baixo – o que está de acordo com as orientações atuais para a operação da piscina.


A professora Wendy Barclay, do Imperial College, disse: “Nós realizamos esses experimentos em nossos laboratórios de alta contenção em Londres. Nessas condições seguras, somos capazes de medir a capacidade do vírus de infectar células, que é o primeiro passo em sua transmissão. Ao misturar o vírus com a água da piscina que nos foi entregue pela equipe Water Babies, pudemos mostrar que o vírus não sobrevive na água da piscina: não era mais infeccioso”.


Isso, juntamente com o enorme fator de diluição do vírus que pode entrar em uma piscina de uma pessoa infectada, sugere que a chance de contrair o Covid-19 a partir da água da piscina é insignificante.


Jane disse: “Estamos muito satisfeitos por ter desempenhado um papel fundamental ao lado do Imperial College London, Water Babies e RLSS UK nesta primeira pesquisa mundial.


Notícias fantásticas

Esses achados sugerem que o risco de transmissão da água da piscina é baixo e aumentam as evidências de que as piscinas podem ser ambientes seguros se medidas apropriadas forem tomadas. As descobertas confirmam que a orientação que emitimos aos operadores está correta e dará a todos que retornam à água tranquilidade de que estão fazendo isso com segurança.


Paul Thompson, fundador da Water Babies, disse: “Estamos empolgados com essas descobertas enquanto nos preparamos para reiniciar nossas aulas e planejamos receber de volta famílias, pequenos e clientes em piscinas cobertas em todo o país. Tem sido fantástico trabalhar em estreita colaboração com a Professora Barclay e sua equipe no Imperial College e colaborar com os principais órgãos Swim England e RLSS UK nesta pesquisa líder mundial. Sabemos que a natação tem vários benefícios para a saúde física e mental para crianças e adultos de todas as idades e estamos ansiosos para que nossas aulas sejam reiniciadas.”


Traduzido de Swimming.Org

3 visualizações0 comentário